25 comentários:
De Silvio Vasconcellos a 17 de Dezembro de 2007 às 08:31
A simplicidade das linhas, o estilo que se repete e permanece surpreendente a cada obra, fez de Niemeyer o primeiro arquiteto Latino Americano a ser reconhecido no exterior.
A lucidez de hoje aliada a coerência de pensamento em toda sua vida e uma obra monumental, no sentido literal da palavra, faz desse brasileiro merecedor de todas as homenagens que podem ser feitas a um gênio vivo.


De a 17 de Dezembro de 2007 às 09:25
Muito bonita a catedral! Merecida homenagem pelos 1000 anos do arquiteto.


De Duda a 17 de Dezembro de 2007 às 10:06
Santa,

Mais justíssima ainda é a lembrança do arquiteto urbanista Lúcio Costa. Sem badalação teve seus 100 Anos em 1992.


De Rodrigo Xavier a 17 de Dezembro de 2007 às 11:29
Estudei na Universidade de Brasília e reconheci os adversários de Niemeyer: os professores de Arquitetura da própria UnB. São eles os prncipais detratores de suas obras.

Argumentam que nosso arquiteto maior privilegia a beleza em detrimento da função, proporcionando espaços desconfortáveis e mal direcionados.

Até poder ser. Mas virou pinimba oicial. Se um estudante de arquitetura na UnB gostar de Niemeyer, já é indício de pouca sensibilidade. Algo equivalente a não seguir a cartilha politicamente correta no meio intelectual, marginalizando-se das discussões.

Niemeyer é bom e ponto final. A crítica que se merece fazer a ele, menos por suas qualidades e mais pelo juízo de nossos governantes, é dar-lhe a palavra final sobre o que fazer em Brasília. Tudo depende dele. E é esse ponto de vista autoritátio e excludente, típico da cabeça de um comunista comum, a crítica mais acertada a se fazer sobre ele. Mas não sobre suas obras.

Porém, a ótica ufanista de ressaltá-lo como um arquiteto extraordinário também é pífia. Renzo Piano e Rem Koolhaas são mais bacanas sob o meu ponto de vista.

Enfim, há muito a se falar sobre nosso artista centenário. Mas o principal elogio a se fazer a ele é manter a mesma chama criativa de quem viu um século passar produzindo com a mesma qualidade de quem se quer eterno.


De Rebeca a 17 de Dezembro de 2007 às 12:37
Belíssima arquitetura. Orgânica, com traços bem brasileiros.


De Lenice Gomes. a 17 de Dezembro de 2007 às 12:47
Santa,

Para a homenagem ficar completa lembrar de Joaquim Cardozo, da equipe o engenheiro calculista de muitos palácios públicos de Brasília, pernambucano, e um dos maiores poetas da literatura brasileira.


De Lenice Gomes. a 17 de Dezembro de 2007 às 12:48
Estou em SP mas acompanho pelo teu blog o caso dos cubanos. Espero que hoje a tarde termine a saga deles. Beijos.


De ROÇA COISA É OUTRA LIMPA a 17 de Dezembro de 2007 às 14:26
Grande obra, grande artista e maior ainda CANALHA!


De van a 17 de Dezembro de 2007 às 16:52
sinuosidade.as colunas depois dos romanos ou dos gregos,só Oscar inventou uma nova forma de sustentar as estruturas.Genio.ótima equipe ele teve:engenheiros,calculistas,mestres de obra(operarios)sim,afinal as piramides ou brasilia só foi possivel devido a mao de obra escrava ou semi-escrava(no brasil)os candangos.Brasilia é patrimonio universal.abraço.van.
http://van-cent.zip.net


De Ricardo Rayol a 17 de Dezembro de 2007 às 17:50
O que dizer? Ele pode ser o máximo mas para comunista até que gosta muito de grana em moeda forte.


Comentar post