22 comentários:
De marquinho a 4 de Setembro de 2007 às 10:06
ah,ah,ah, TUDO PELO SOCIAL!!!


De Angelo da C.I.A. a 4 de Setembro de 2007 às 10:30
O Bolsa-Família é isto, uma porcaria desviada para "amigos do rei".
Em minha cidade é assim, um monte de Bolsas é controlado por um pequeno grupo de políticos que escolhem com critérios nada técnicos os beneficiários.


De Saramar a 4 de Setembro de 2007 às 10:48
Ô povinho!

A bolsa-esmoal, pelo que li por aí não tem nenhum tipo de controle governamental, assim como outras esmolas que os nossos impostos pagam.
É dinheiro que se doa não se para quem nem o resultado da doação.
Lembra-se daqueles vereadores que também recebiam?
É assim.

beijos
P.S. Está melhor?


De Catacontos a 4 de Setembro de 2007 às 13:10
A idéia de uma bolsa-escola ou família atrelada a educação não seria uma má idéia. Mas...


De Maria Oliveira a 4 de Setembro de 2007 às 13:13
Um programa sem controle, sem critério, sem conceito, sem planejamento, com interesses subjetivos não poderia dar em outra.


De fernando a 4 de Setembro de 2007 às 13:16
Os franceses recebem do governo salário desemprego, auxílio maternidade, creche, educação, entre outros benefícios, e nem por isso os franceses são alienados, ao contrário, são exigentes politicamente.

fernando_lins@bol.com.br


De Detona ou não a 4 de Setembro de 2007 às 13:24
Roberto Jefferson tem “tsunami” para soltar sobre financiamento dos bancos na última eleição

Exclusivo - Roberto Jefferson tem documentos capazes de provar uma mega-maracutaia envolvendo a atuação de grandes bancos e financeiras no financiamento da última campanha eleitoral. A divulgação do dossiê provocaria uma onda gigante de ataques ao governo petista, que tem se mostrado um grande companheiro do sistema bancário. O efeito do tsunami político seria ampliado se Jefferson entrasse com mais um pedido de impeachment do presidente Lula da Silva – que teria tudo para ser ignorado e jamais apreciado pelo Congresso, como ocorreu com vários pedidos de impedimento anteriores.


De ex-petista a 4 de Setembro de 2007 às 13:36
Santa,


Prova que o programa não tem porta de saída. Como controlar quando a "família" não necessita mais da transferência de renda? Seja por trabalho ou porque a filha virou celebridade e rica? E a míséria REAL continua galopante no País.


De ex-petista a 4 de Setembro de 2007 às 13:36
Santa,


Prova que o programa não tem porta de saída. Como controlar quando a "família" não necessita mais da transferência de renda? Seja por trabalho ou porque a filha virou celebridade e rica? E a míséria REAL continua galopante no País.


De nido a 4 de Setembro de 2007 às 13:38
No caso do irmão de Lula além das propinas a polícia deve saber se também está cadastrado no Bolsa.


Comentar post