16 comentários:
De ex-petista a 7 de Agosto de 2006 às 20:38
E a ONU, as Ongs que defendem mordomias de bandidos nas cadeias.


De Ricardo Rayol a 7 de Agosto de 2006 às 20:44
Era só o que faltava.....


De Lu a 7 de Agosto de 2006 às 20:46
Santa

O governo federal tem que ser responsabilizado pelos ataques em SP. Ao contrário cala-se. No mesmo dia dos ataques Lula vai para televisão com uma lei populista - divulgando lei de aumento da pena de agressores de mulheres como se já não houvesse lei contra agressão física, ameaça de morte.
Chega.


De + Kazzx + a 7 de Agosto de 2006 às 21:18
Cara Santa,

Não entendi bem a comparação, é só não esquecer que Israel só faz engrossar as fileiras do Hezzbola, quando faz ataques ao Libano.

Bjs


De + Kazzx + a 7 de Agosto de 2006 às 21:19
Santinha amada:

Ouvi sua reclamação e concordei o BLIG é uma merda mesmo...

Bjs


De Blogue da Magui a 7 de Agosto de 2006 às 22:02
O estado de SP tem uma hegemonia tao fantastica sobre os outros estados e luta por isso que esta pagando o preco.A divisao da renda nacional passa pela descentralizacao.O Alkimim ainda nao percebeu que nao deve ficar falando em SP em sua campanha.Ele vai perder por isso.


De + Kazzx + a 7 de Agosto de 2006 às 22:49
Santinha:

O Blogger, o blig já era....

Bjs


De Fernando a 7 de Agosto de 2006 às 22:51
Santa

A violência urbana é nacional tanto que em estados do Nordeste morre mais gente por dia do que a guerra do Hezbollah e Israel e, não tem a pachorra pirotécnica do PCC.Mas SP está no foco da disputa política local e a presidencial. Está na cara de qualquer é uma ação articulada.


De Exclusivo a 7 de Agosto de 2006 às 22:58
Lula e sua equipe usam telefones e rádios com cartões de memória da Argentina e da Venezuela para fugir dos “grampos”

O presidente Lula e seus principais estrategistas ou aliados estão falando ao telefone sem o menor pudor. Não temem que suas conversas possam ser captadas pelos famosos grampos. Eles estão usando rádios Nextel e telefones celulares cujos “chips” são registrados na Argentina e na Venezuela. As linhas são registradas em nomes de “laranjas” para não serem detectadas sequer nos países de origem da operadora da telefonia ou rádio. A tática também prevê a troca constante dos cartões de memória, para que nunca sejam rastreados.

Leia no:
http://alertatotal.blogspot.com/


De Fabiana a 7 de Agosto de 2006 às 23:01
Santa

O feitiço ainda vira contra o feiticeiro. Cuidado aí petralhada...


Comentar post