29 comentários:
De soslayo a 22 de Abril de 2007 às 12:19
Minha querida amiga Santa</a>

Quando puderes passa no In mente (http://mategoinmente.blogspot.com)

:)

Um grande beijo deste lado do Atlântico.


De Eduardo a 22 de Abril de 2007 às 12:41
Santa,

Se você acorda tarde com essa inspiração toda imagina as 6 da manhã:)))


De Mestre a 22 de Abril de 2007 às 13:00
Santíssima!!!!

Sem esquecer da nossa Casa do navio na av. Boa Viagem. Também resistiu ao novo.


De Duda a 22 de Abril de 2007 às 13:02
Santa,


Que esse magnífico post sirva psara reflexão: será que no futuro próximo teremos favelas como patrimônio arquitetônico??


De Duda a 22 de Abril de 2007 às 13:02
Santa,


Que esse magnífico post sirva psara reflexão: será que no futuro próximo teremos favelas como patrimônio arquitetônico??


De Saramar a 22 de Abril de 2007 às 14:02
Santa, você surpreende sempre, mas nem deveria me surpreender. Já sei há séculos que você é uma cornucópia de maravilhas.
Beijos e boa semana.
P.S. Ah! E deixe de ser modesta. Toda a honra é minha.


De Serjão a 22 de Abril de 2007 às 14:51
Santa;
Aqui no Rio temos o castelinho do Flamengo, que não foi derrubado ainda por que se pensou grande. m(Pelo menos desta vez) Felizmente ele virou centro cultural.

http://www.bairrodocatete.com.br/castelinho.html

Abs de seu devoto


De José Alberto Mostardinha a 22 de Abril de 2007 às 15:48
Olá Santa:

Bom... se isso é arquitectura... "eu vou ali e já volto"!
Entretanto...

O dia 25 de Abril aproxima-se.
Nele será comemorado uma data que permitiu ao povo português libertar-se dum regime totalitário, desprezível e anquilosado.
Foi posto termino a uma guerra colonial injusta e traumatizante.
É opinião unanime de que o país progrediu a olhos vistos.
É preciso fazer mais?
Certamente.
Mas fazê-lo em liberdade tem muito mais sabor.

Viva o 25 de ABRIL.

Um beijo,


De Costajr a 22 de Abril de 2007 às 17:05
Preciso conhecer São Paulo!


De Dayse a 22 de Abril de 2007 às 17:50
Santa, também temos o nosso castelinho que resistiu ao tempo: tempo de morar, tempo de choparia e agora, tombado e incorporado a um prédio a beira mar.

Acho que tomabram todos pra que a gente não esqueça das águas passadas.


Comentar post