33 comentários:
De mixtu a 20 de Abril de 2007 às 05:20
não me parece que ficará o equivoco...

un abrazo lusitano


De Walter Carrilho a 20 de Abril de 2007 às 08:05
Quando falam em "política cultural" vou logo sacando o meu talão de cheque...Não sei, as palavras "política" e "cultura" não combinam...

bj, Santinha


De Anónimo a 20 de Abril de 2007 às 09:22
Santa,

Depois não quer ser chamado de "aiatolá suassuna":)


De Fábio Max a 20 de Abril de 2007 às 10:20
Esse cara não entendeu ainda o conceito de cultura, que envolve múltiplas experiências de conhecimento... é um típico esquerdofrênico sul-americano!


De Maria Oliveira a 20 de Abril de 2007 às 10:38
Santa, um absurdo e você é uma das poucas pessoas em Recife que peita Ariano assim de público. Tarefa nada fácil meio ao conservadorismo latente.


De Saramar a 20 de Abril de 2007 às 11:39
Satan, ess epessoal da esquerda já provou há centenas de ano que não sabe administrar nada, a não ser os mais sabidos, que administram suas fortunas.
Ademais, eu creio que aqueles que pretendem fazer cultura, mesmo jurássica, deveriam fazer com seu próprio dinheiro, não?
O dever do secretário é gerir e não fazer publicidade de seus inventos com dinheiro público.

beijos e bom final de semana.
P.S. Se puder, passe no Janelas. Falei sobre você hoje.


De marquinho a 20 de Abril de 2007 às 13:13
Minha professora (santa)querida, nessa área vc é imbatível. Excelente! Cadê que Ariano está preocupado com os municípios que nem um teatro tem, até pra fazer o show dele.


De Oscar Pita-Grandi a 20 de Abril de 2007 às 13:24
Saludos desde Perú...


De Silvio Vasconcellos a 20 de Abril de 2007 às 13:25
Com Ariano aí e Gil em Brasília, temos bem a noção do papel midiático que o governo impregna na cultura.
Cultura tem que ser gerida profissionalmente para que a história e os artistas possam aparecer, não esses figurões que de gestão não sabem nada.


De Anónimo a 20 de Abril de 2007 às 13:58
É a primeira vez que visito o seu blog e fico feliz em saber dos que dedicam o espaço web para divulgar e discutir uma área tão difícil de apoio.

Concordo e destaco os principais pontos do seu artigo. Partindo da premissa que não cabe ao Estado o papel de produtor de cultura e sim organizar, sistematizar e incentivar a cultura do lugar, fiquei muito preocupada com o programa apresentado pelo escritor Ariano Suassuna para 4 anos de secretaria de cultura de Pernambuco. Restrito ao próprio secretário e sua equipe, personalístico porque usa o espaço público para divulgar uma linguagem artística própria. Não configura no âmbito institucional uma política cultural que atenda as demandas da cultura no Estado. Restrito as um projeto pessoal que pretende ser patrocinado pelo Funcultura - o que é mais grave já que o fundo é administrado pelo próprio secretário (SEC), destinado ao incentivo a produção cultural em todas às áreas no Estado. Parabéns pelo artigo!

Um abraço.
Júlia, fotógrafa e pernambucana.


Comentar post